Feeds:
Posts
Comentários

Hiato indefinido

Por questões pessoais e profissionais, estamos ausentes por tempo indeterminado. Parte da equipe seguiu ao GazetaEsportiva.Net.

Anúncios

6Há exatamente dez anos, o Corinthians iniciava sua saga para a conquista do Mundial de Clubes da FIFA, o primeiro da história. Há muita polêmica em torno do título. Uns dizem que não é correto alguém participar de um mundial sem antes vencer seu continente, etc. O fato é, porém, que o Corinthians entrou na competição por ser o campeão do país sede, assim como os países organizadores de Copas do Mundo entram automaticamente no torneio.

O Mundial estava planejado para ocorrer em 1999, por isso entraram no torneio os campeões da Libertadores e do Brasileiro de 1998, Vasco e Corinthians, respectivamente. Além deles, participaram os campeões da Champions League de 1998/99, Manchester United, da Copa Intercontinental de 1998, o Real Madrid e os campeões da Oceania, Ásia, CAF e CONCACAF, South Melbourne, Al Nassr, Raja Casablanca e Necaxa, respectivamente. Os times foram divididos em dois grupos, um com sede em São Paulo e um no Rio de Janeiro. No grupo da capital paulista ficaram Corinthians, Real Madrid, Raja Casablanca e Al Nassr e os clubes restantes foram para a Cidade Maravilhosa.

A participação do Corinthians se iniciou há exatos dez anos, no dia 5 de janeiro de 2000, apenas 14 dias após o time ter se sagrado bicampeão brasileiro. O primeiro jogo foi contra o Raja Casablanca, do Marrocos, e o Timão venceu por 2 a 0, gols de Luizão, aos 4, e Fabio Luciano, aos 19 do segundo tempo. No segundo gol, a bola não ultrapassou a linha, mas o árbitro italiano validou o gol e esse foi o resultado final da partida.

Dida defende o pênalti batido por Gilberto

O jogo seguinte era, sem dúvidas, o jogo mais importante e esperado da fase classificatória. O adversário era o poderoso Real Madrid, que contava com grandes craques, como Raúl, Casillas, Sávio, Roberto Carlos, Anelka, Hierro, Redondo, Eto’o, entre outros. Toda a expectativa foi recompensada na hora em que o árbitro apitou. Logo aos 20 minutos, Roberto Carlos bateu falta com força e o atacante Anelka desviu levemente de calcanhar, matando as chances de Dida chegar na bola. Porém, o Corinthians tinha Edílson. Karembeu, volante do Real, havia dito antes do jogo que não conhecia o Capetinha e com certeza se arrependeu aos 29 minutos, quando o camisa 10 do Corinthians recebeu de Luizão e bateu firme, no cantinho de Casillas. O arrependimento mais viria no segundo tempo, aos 18 minutos, quando o mesmo Edílson recebeu em velocidade e colocou a bola por entre as pernas de Karembeu e fez o segundo do Timão. Entretanto, aos 26, Anelka recebeu a bola, deu um drible de corpo lindo em Dida e empatou o jogo. Antes do fim do jogo, o mesmo Anelka teve a chance de desempatar o jogo, em cobrança de pênalti, mas Dida defendeu e o jogo ficou em 2 a 2.

Edílson coloca a bola por entre as pernas de Karembeu, do Real Madrid

No último jogo da primeira fase, o Corinthians tinha a obrigação de vencer por dois gols o Al Nassr, já que o Real Madrid tinha melhor saldo de gols. E foi isso que o time alvinegro fez.  Diante de mais de 30 mil pessoas no Morumbi, Ricardinho repetiu Edílson e colocou a bola por entre as pernas do zagueiro do time asiático e bateu de pé esquerdo, abrindo o placar aos 24 minutos. Depois disso, o Coringão continuou pressionando, em busca do segundo gol, mas a bola parou na trave e no goleiro. O gol da classificação corintiana só saiu aos 36 do segundo tempo, quando Freddy Rincón, capitão do time, recebeu de Luizão e bateu forte cruzado, marcando um belo gol e classificando o time para a final.

Rincón levanta a taça do título mundial

A partida final do Mundial aconteceu no Rio de Janeiro, estádio do Maracanã, contra o campeão do outro grupo, o Vasco da Gama. Todos os ingressos da torcida corintiana foram vendidos e mais de 20 mil torcedores do Timão estiveram presentes naquela noite de 14 de janeiro. O jogo foi muito movimentado, mas com muita marcação e poucas chances claras de gol. Nenhum gol saiu nos primeiros 90 minutos e o jogo foi para a prorrogação, mas o placar permaneceu o mesmo. A decisão foi, então, para a disputa de pênaltis. Os batedores pelo Corinthians foram Rincón, Fernando Baiano, Luizão, Edu e Marcelinho, e só o último errou sua cobrança. Entretanto, dois batedores vascaínos perderam, Gilberto teve sua cobrança defendida por Dida e Edmundo bateu o pênalti decisivo por cima da meta.

Após a cobrança de Edmundo, os corintianos de todo mundo podiam gritar e gritaram com todas as suas forças: “Eu sou Campeão do Mundo”. A partir daquele dia, o mundo era oficialmente alvinegro.

Ficha técnica da final:

Vasco da Gama 0 x 0 Corinthians

Local: Estádio do Maracanã

Horarário: 20h00

Data: 14 de janeiro de 2000

Público: 73 mil presentes

VASCO: Hélton, Paulo Miranda, Odvan, Mauro Galvão e Felipe (Alex Oliveira); Amaral, Juninho Pernambucano (Viola), Ramon (Donizete) e Gilberto; Romário e Edmundo. Técnico: Antonio Lopes

CORINTHIANS: Dida, Índio, Adílson, Fábio Luciano e Kléber; Rincón, Vampeta (Gilmar Fubá), Ricardinho (Edu) e Marcelinho; Edílson (Fernando Baiano) e Luizão. Técnico: Oswaldo de Oliveira

Elenco do Corinthians no Mundial:

1 – Dida, 2 – Índio, 3 – Adílson, 4 – João Carlos, 5 – Vampeta, 6 – Kléber, 7 – Marcelinho, 8 – Rincón, 9 – Luizão, 10 – Edílson, 11 – Ricardinho, 12 – Maurício, 13 – Daniel, 14 – Márcio Costa, 15 – Yamada, 16 – Fábio Luciano, 17 – Fernando Baiano, 18 – Dinei, 19 – Augusto, 20 – Edu, 21 – Marcos Senna, 22 – Luís Mário, 23 – Gilmar Fubá

Assim como foi feito no final de cada rodada deste Campeonato Brasileiro, a Equipe do OpinaFute não podia deixar de fazer uma Seleção da competição.

Para a Seleção ser feita, cada um dos integrantes da equipe do site fez um selecionado próprio e, no final, os onze jogadores mais vezes escolhidos foram eleitos para a Seleção do Brasileirão 2009.

Victor – Grêmio

O goleiro do Tricolor Gaúcho se destacou mais uma vez com sua equipe, fazendo sempre grandes partidas e sendo o jogador mais importante do Grêmio. Suas boas atuações chamaram a atenção do técnico Dunga e vem sido convocado constantemente para as partidas que antecedem a Copa da África. Dificilmente fica de fora do Mundial de 2010.

Jonathan – Cruzeiro

Com seu estilo ofensivo de jogar, foi um dos destaques do Cruzeiro até mesmo quando a equipe celeste não vivia sua melhor fase. Assim como o time todo, subiu muito de rendimento no segundo turno do Brasileirão, após o baque da perda da Libertadores ter passado.

Miranda – São Paulo

Assim como Victor, está praticamente garantido na Copa do ano que vem. Cada vez mais se firma como principal zagueiro em atividade no Brasil, se destacando não só na marcação como nas subidas ao ataque. Sua calma é algo difícil de se ver nos defensores da atualidade.

Réver – Grêmio

Apesar de não se mais um garoto, ganhou mais destaque neste ano. Ainda mais do que Miranda, é um zagueiro que se destaca na jogada aérea e que sempre que vai ao ataque leva perigo. Marcou muitos gols importantes pelo Tricolor Gaúcho e também mostra muita segurança na defesa.

Júlio César – Goiás

Ganhou maior destaque na primeira parte do Brasileirão, quando o Goiás ia bem. Com isso, chamou atenção de muitos grandes clubes, principalmente do Corinthians. Tem um estilo muito ofensivo e, por isso, marcou muitos gols. Suas atuações no meio de campo também foram um ponto forte.

Willians – Flamengo

Um total cão de guarda para a zaga do campeão nacional. Viveu alguns altos e baixos durante o Campeonato, mas foi um jogador muito importante para o título rubronegro. Incansável em campo, fez a diferença em muitas partidas.

Pierre – Palmeiras

Coincidência ou não, o alviverde viveu sua pior fase no Brasileirão quando ele se contundiu. É diferencial quando está em campo, tanto pela disposição e marcação, quanto por sua liderança. Exemplo de raça para os companheiros e para a torcida, foi um dos poucos que não ficaram manchados com o vexame do Verdão no Brasileiro.

Diego Souza – Palmeiras

Fez um primeiro turno impecável, assim como grande parte da equipe, mas sofreu muito na segunda parte da competição, quando perdeu seus companheiros Cleiton Xavier e Pierre no meio de campo. Mesmo assim, decidiu jogos a favor do Verdão, muitas vezes com golaços, como o que marcou do meio de campo, contra o Atlético-MG.

Petkovic – Flamengo

Velho? Pode ser. Acabado? Nem pensar. Fez, neste Brasileirão, o que ninguém acreditava. Ressurgiu depois de algumas passagens fracassadas por algumas equipes e foi o maestro que levou o Mengão a um título que a torcida esperava há mais de 15 anos. Quanto mais importante a partida, mais ele jogava.

Diego Tardelli – Atlético Mineiro

Um dos artilheiros do Brasileirão, foi o responsável pelo Galo brigar pelo título por tanto tempo. Virou ídolo da torcida rapidamente e com razão. O Atlético era apontado por muitos como candidato ao rebaixamento e ele foi o responsável por mudar isso. Mesmo que não tenha ganho nada, fez o torcedor atleticano ter orgulho de seu time novamente.

Adriano – Flamengo

Depois de anunciar sua aposentadoria depois de deixar a Inter de Milão, o Imperador voltou em grande estilo ao futebol (mesmo que só tenha o deixado por poucas semanas). Foi, junto com Tardelli, artilheiro do Brasileirão e, junto com Pet, o grande responsável pelo título do Mengão. Mostrou que, quando quer, joga muita bola.

Técnico: Silas – Avaí

Se, no início do Campeonato, alguém lhe dissesse que o Avaí ficaria em sexto lugar no Campeonato, você provavelmente não acreditaria. Ainda mais depois do início ruim da equipe. Silas, entretanto, foi o técnico que conseguiu este feito. Tanto que, ao final do Brasileiro, ele já acertou com o Grêmio e tenta cravar seu nome no hall dos grandes técnicos do Brasil.

Revelação: Jucilei – Corinthians

Chegou pouco antes do início do Campeonato, estreiou na primeira rodada e, antes da virada dos turnos, já era titular absoluto. Aos 21 anos, jogou de volante e de lateral e, em ambas posições, mostrou muita qualidade, persnonalidade e identificação com a torcida. Ponto para a diretoria que achou o jogador no J. Malucelli.

Craque: Petkovic – Flamengo

Voltou ao clube por causa de uma dívida. Muitos falaram mal da contratação, disseram que se tratava de um jogador acabado e que não ia adicionar nada ao Mengão. Ele provou a todos que ainda podia jogar, que podia ser titular e que, ainda mais, podia decidir não só partidas como um Campeonato. A virada flamenguista aconteceu quando ele virou titular. Deixou ainda mais seu nome gravado na História do Fla.

Quem quer o pôster?

Tenho na parede do meu quarto três pôsteres do meu time do coração. São três títulos conquistados e que ficarão eternamente na minha memória – e não na parede, claro. São retratos de uma simbologia do futebol e que este ano está sendo maltratada pelos times que disputam o título do Brasileirão. Flamengo, Internacional, Palmeiras e São Paulo – na ordem de classificação e, talvez, favoritismo – enganam bem e escancaram a falta de nível técnico do Campeonato Brasileiro, que pouco a pouco vai se confundindo com emoção. O fato é que nenhum time quer ter seu pôster pronto.

O Flamengo venceu o Corinthians. Ok. O Alvinegro paulista jogava sem vontade e, sem lero-lero, sabemos que a vontade corintiana estava em baixa. Ninguém em São Paulo duvida que o time do Parque São Jorge preferisse perder a partida e conseguir ser o único paulista com um título no final da temporada. Sem nada – ou quase nada – a ver com a história toda, o Mengão saiu com os três pontos de Campinas. Assumiu a liderança e pegará o Grêmio na última rodada. Difícil? Não.

Não será tão difícil assim para o Rubro-Negro enfrentar o Grêmio. Pois maior do que a vontade corintiana de ver seus rivais na seca, é a gremista de ver o Internacional sem o Brasileiro no ano do centenário – que, pasmem, poderá terminar com apenas o Gaúcho conquistado. O Colorado ressurgiu das cinzas e figura na vice-liderança. Não fossem tropeços bobos ao longo do campeonato, seria campeão com antecedência. Hoje, se divide entre a rivalidade e a chance do título. O coração vermelho de Porto Alegre bate, acreditem, um pouquinho mais tricolor.

Quem também ressurge após vacilos inexplicáveis é o Palmeiras. A equipe de Muricy Ramalho, que para muitos e muitos já estava morta, poderia ter ficado com a ponta da tabela ao final desta rodada. Não ficou e, por isso, tem poucas chances de ser campeão. A vaga na Libertadores ainda não está assegurada, mas está bem próxima. Ao bater o Atlético Mineiro, o Verdão parece ter reconquistado a confiança. Pena que enfrentará um desesperado Botafogo, que para não retornar à Série B – seria o segundo rebaixamento em seis anos – precisa da vitória no próximo domingo. É, talvez, o confronto mais difícil dos postulantes ao título. A carta verde, acredito, está fora do baralho.

Quem também está fora é a carta tricolor. O São Paulo tropeçou mais uma vez em sua incompetência – e na competência do Goiás, é bem verdade – e deixou o posto de “o hepta virá neste domingo” para assumir o de “Libertadores será o máximo”. Pela primeira vez Jason morre. Morre porque os jogadores estão apáticos, tristes e, acima de tudo, indisciplinados. O Tricolor paga com derrotas a falta de cabeça de seus atletas, que somam cartões atrás de cartões. Ricardo Gomes fez um belo trabalho, mas ao que parece morrerá na praia. Nada de desesperador para um time que dominou o país nos últimos três anos.

Na ponta de baixo da tabela, destaco outro Tricolor, o das Laranjeiras. Podem dizer que queimei minha língua, e digo que a queimei com orgulho. Desde a volta de Fred estava cravado que o Fluminense não cairia. É elenco para estar no topo. Pena que não soube jogar em boa parte do campeonato. O rebaixamento é passado e torço muito pelo título da Sul-Americana.

Cutucadas

– Obrigado Felipe, goleiro do Corinthians, por protestar de forma tão legal contra a situação da arbitragem brasileira. Precisamos de providências urgentes!

Dorival Júnior saiu do Vasco. O cruzmaltino parece não ter aprendido com alguns rivais como sair bem da Série B

– A CBF colocou Diego Souza e Cleiton Xavier como meias-direita na votação da Seleção do Brasileiro. Não sabia que eles jogavam um em cima do outro no Palmeiras…

Henry Cristo

Semana passada eu falei um pouco sobre o caso Henry. Hoje, vou destrinchá-lo. Estão exagerando nas reações. Faxineiros disseram ao jornal The Sun que se recusam a utilizar um aspirador com a foto do atacante francês, que inclusive leva seu nome.

Lógico que isso é apenas um símbolo do movimento moralista internacional contra o jogador do Barcelona. A realidade é que uma hipocrisia enorme envolve esse caso. Nenhum jogador não colocaria a mão naquela bola. Foi instinto, puro, inerente ao ser humano, assim como é o erro. E ninguém está discutindo que ele não errou.

Seria interessante, evidentemente, que Henry fizesse igual Robbie Fowler, ex-atacante do Liverpool, que após sofrer um pênalti inexistente, admitiu ao juiz que a falta não havia acontecido. O apitador, inclusive, não acreditou no inglês e manteve a decisão. Fowler cobrou fraco, no meio, e não fez o gol.

Isso é a exceção. Valendo uma vaga na Copa do Mundo, que seria uma decepção enorme para seu povo, não podemos cobrar que Thiery faça o mesmo. Podemos cobrar que ele se arrependa, como fez. Diferentemente de Maradona e do povo argentino, que até hoje tem orgulho da mano de diós. Lembrando que o lance na final de 1986 decidiu o título, e não apenas uma classificação.

O pior da história é a FIFA. Se o próprio protagonista da infração admitiu que uma nova partida seria o mais justo, por que não fazê-la? No futebol, as regras são distorcidas diversas vezes por motivos escusos e condenáveis. Ninguém criticaria se assim fossem por motivos nobres, como este. A entidade máxima do esporte fará reunião especial sobre o caso, e espero que deliberem a favor da anulação.

Estão pegando Henry para cristo. Como se ele fosse o responsável de todas as mazelas do futebol. Como se ele simbolizasse tudo que há de ruim. Muito pelo contrário. A qualidade técnica exuberante do atacante e sua sensibilidade em arrepender-se e admitir o erro são justamente o que fazem do esporte o que ele é. Sinceramente? Henry é o menor dos problemas.

E o monstro ataca novamente…

Luiz Gonzaga Belluzo incorporou Mr. Hide mais uma vez. Em festa da Mancha Verde, gritou, calorosamente, “Vamos matar os bambis”. Evidente que até uma criança de 5 anos percebe que ele não estava incitando os palmeirenses a exterminarem são paulinos. Mas, de certa forma, estava. E é deplorável um dirigente de um dos maiores clubes do país agir dessa forma.

Belluzo alterna momentos de brilhante e vanguardista dirigente com momentos de cartola, no mais fiel significado da palavra. Aquele amador, inconseqüente, dos primórdios do futebol profissional. Alterna momentos de Dr. Jekyll com momentos de Mr. Hide. Uma pena, realmente.

Depois de uma semana com a grande parte dos jogos de futebol sendo disputados pelas seleções nacionais, nesta quarta-feira a situação volta ao normal, e, como sempre, gols brasileiros não faltam ao redor do planeta.

Espanha

Nilmar fez dois contra o Valladolid

Apesar de ser o novo líder do Campeonato Espanhol, o Real Madrid não contou com nenhum tento verde e amarelo nos últimos dias. Situação diferente a do Barcelona, que empatou em 1 a 1 com o Athletic de Bilbao graças ao gol de Daniel Alves. No mesmo dia, Renato garantiu a vitória do Sevilla por 2 a 1 sobre o Tenerife. No domingo, quem se destacou foi Nilmar, que marcou duas vezes no triunfo de 3 a 1 do Villarreal sobre o Valladolid. Diego Costa descontou para os derrotados. Perto dali, o Zaragoza visitou o Málaga e conseguiu um pontinho, o ex-corintiano Éwerthon foi o autor do gol visitante.

Itália

A rodada italiana contou com um jogaço no domingo, a bela vitória do Milan por 4 a 3 sobre o Cagliari. E os três pontos só foram conquistados pelas belas atuações de Ronaldinho e Pato, que marcaram um cada. Do outro lado, o ex-cruzeirense Nenê descontou.

Já  pela Serie C1/A, Emerson tentou, mas não foi o suficiente para o Lumezzane, que saiu derrotado pelo Como, fora de casa, por 2 a 1.

Portugal

O futebol na terra dos nossos colonizadores foi movimentado apenas pela Taça de Portugal, o suficiente para ter seu espaço por aqui. No domingo, o Vitória Guimarães surpreendeu o Benfica, em pleno Estádio da Luz, e venceu por 1 a 0 com gol do zagueiro Gustavo Lazzareti. Outro clube da capital, o Sporting, não decepcionou sua torcida e goleou o Pescadores Costa Caparica por 4 a 1 e, sem dúvida, Liédson deixou o dele. No mesmo dia, outro Sporting se deu bem, mas o de Braga, e venceu o Vitória Setúbal por 3 a 0, com tentos de Moisés e Márcio Mossoró, ex-Internacional e Paulista de Jundiaí.

Alemanha

Naldo comemora com seus companheiros

Pela Bundesliga, o agora vice-líder Werder Bremen deu show, e atropelou o Freiburg por 6 a 0. O zagueirão Naldo deixou o seu de pênalti. Outro que goleou foi o Hoffenheim, que fez 4 a 0 no Colônia, com o jovem Carlos Eduardo vibrando com a galera. Para completar a elite do país, o atacante Grafite converteu sua penalidade  mas o Wolfsburg acabou derrotado pelo Nuremberg por 3 a 2.

Já  na segunda divisão alemã, o Frankfurt não teve problemas para passar pelo Oberhausen, fora de casa, 3 a 1 com dois gols de Cidimar, jogador com passagem pelo Internacional.

Leste Europeu

Wagner com a camisa do Lokomotiv

Uma das regiões mais recheadas de brasileiros no mundo, sempre aparece por aqui. Começando pela Rússia, dois clássicos movimentaram o o final de semana. No primeiro, o Lokomotiv Moscow venceu o Dinamo por 2 a 0, e o ex-cruzeireinse Wagner foi autor de um dos gols. No segundo, o Spartak foi derrotado por 3 a 2 pelo CSKA, com seus dois gols sendo marcador por Welliton e Alex.
Uma das surpresas positivas da área foi o futebol búlgaro. Por lá, seis brasucas balançaram as redes nos últimos sete dias. No 5 a 0 do Litex sobre o Lokomotiv Plovdiv, Tom, ex-Portuguesa, Sandrinho, ex-Juventude, e Doka Madureira, ex-Goiás, colocaram seus nomes no placar. No 3 a 0 do Levski sobre o Cherno More Varna, outro ex-lusitano marcou, o meia Joãozinho. Ainda no sábado, Michel Platini, que não é aquele, contribuiu com CSKA Sofia no empate por 2 a 2 no clássico contra o Lokomotiv. Já no domingo, a estrela foi José Júnior, que simplesmente fez três na vitória de 3 a 2 do Slavia Sofia sobre o Chernomorets Burgas.
Na Croácia, o atacante Dodô foi o responsável pelos três pontos do Inter sobre o Lokomotiva, enquanto Rafael Paraíba apenas foi mais um a marcar no massacre de 6 a 0 do Hajduk Split sobre o Croatia Sasvete. O jogador está emprestado pelo Grêmio para ganhar maior experiência.
Para fechar a região, um jogador que sempre coloca seu nome nesta coluna, Jajá. O atacante, que já teve passagem pelo Flamengo, fez mais um com a camisa do Metalist Kharkiv, desta vez na vitória do clube sobre o Zorya, pelo Campeonato Ucraniano.

Grécia e Inglaterra

Denílson fez a festa dos Gunners

Nas belas terras gregas, o Iraklis não saiu de um empate por 2 a 2 com o Atromitos, diante de sua torcida. Luís Eduardo foi responsável por um dos gols dos visitantes. Já no clássico entre PAOK e Aris, o lateral-direito Neto, que teve passagens por Ituano, Paraná, Santos e Fluminense marcou um dos gols nos 4 a 1 dos donos da casa.
Fora da terra firme, na Inglaterra, apenas uma presença brasileira nas redes, e em partida válida pela Liga dos Campeões da Europa, o jovem Denilson marcou o segundo do Arsenal na vitória por 2 a 0 sobre o Standard de Liège.

Holanda, Dinamarca e Suíça

Direto da base do Cruzeiro para o solo holandês, o garto Jonathas marcou mais um gol com a camisa do AZ Alkmaar, desta vez na goleada por 4 a 2, fora de casa, sobre o Roda. Outro que iniciou em Minas Gerais, mas no rival Atlético Mineiro, foi o atacante Aílton, que anotou dois tentos na vitória do Copenhagen sobre o Randers, pelo Campeonato Dinamarquês. Já pela Copa da Suíça, o Kriens bateu o Solothurn por 4 a 2 e contou com a colaboração do zagueiro Thiago.

Turquia e Chipre

Ex-palmeirense Kahê

A rodada turca teve como grande duelo o Besiktas enfrentando o Fenerbahçe. E os donos da casa conseguiram vencer o rival por 3 a 0, com direito a gol do ex-corintiano Bobô. Outro jogador que saiu de São Paulo para a Turquia e balançou as redes nos últimos dias foi Kahê. O ex-palmeirense participou do placar de 3 a 1 do Genclerbirligi sobre o Istanbul Buyuksehir. Já pela segunda divisão do país, Tiago Bezerra bem que tentou, mas seu Altay saiu de campo derrotado por 2 a 1 pelo Bucaspor.
No rival político Chipre, o veterano Clayton, de 34 anos de idade, marcou um dos gols do AEL Limassol nos 3 a 1 sobre o fraco Nea Salamis.

Oriente Médio

Como os Emirados Árabes Unidos não tiveram jogos nos últimos dias, a região não esteve cheia de gols como de costume. Em Israel, o ex-vascaíno Cadu marcou para o Bnei Sachnin na vitória por 2 a 1, fora de casa, sobre o Maccabi Petah Tikva. No mesmo dia, o Hapoel Raanana fez 2 a 1 no Hapoel Haifa, e Cristiano foi o autor do tento da vitória.
Mais ao Sul, mais precisamento no Qatar, o atacante Júlio César fez o único gol do Al Ahli no empate por 1 a 1 com o Al Khor. Em outro empate, Leandro balançou as redes para o Al Sadd no movimentado 3 a 3 com o Al Arabi.

Japão

Lucas defende as cores do Gamba Osaka

Sem rodada no Campeonato Chinês, o espaço do extremo oriente fica todo para o Japão. Por lá, três atacantes levaram seus times às vitórias no sábado. França para o Kashiwa Reysol, Lucas para o Gamba Osaka, e Edmílson, com incríveis três gols, para o Urawa Red Diamonds.
No domingo, Neto Baiano fez um nos 2 a 1 do JEF United em cima do FC Tokyo, enquanto o meia Fernandinho, que já atuou com as camisas do Vasco e do Figueirense, foi o único a alterar o placar na vitória do Oita Trinita sobre o Kawasaki Frontale.

A torcida cobra com razão. Os jogadores mostram em campo que esta razão não é um dos maiores primores da equipe. O treinador teima em resmungar e culpar a imprensa por tudo que está acontecendo. O presidente fala o que todos gostariam de falar e é suspenso pelo maior circo brasileiro, o STJD. O jogador folclórico acerta um soco em um companheiro e dá um nocaute nas chances de disputa de título. O Palmeiras sucumbe no Campeonato Brasileiro.

Não posso afirmar com todas as certezas que o time do Parque Antártica não será campeão brasileiro, já que neste ano a disputa fica mais no quesito “Quem entrega mais”. Mas a troca de socos entre Obina e Maurício sepultou o Palmeiras, que há tempos pedia para tomar o golpe final. Muricy Ramalho chegou e a ideia era que tudo ficasse melhor do que estava – na liderança. Mas a queda foi livre e hoje o Verdão é uma zebra no Brasileirão.

O torcedor palmeirense arranca da parede mais um calendário completo e não vê sua equipe levar o título nacional. Pelo segundo ano seguido, o que é pior, vê o time disparar e perder força, caindo como um balão que murcha na reta final. A saída de Diego Souza é um dos motivos, claro. E sim, ele saiu, afinal desde que voltou da Seleção não jogou mais bola. Assim como as ausências de Cleiton Xavier e Pierre foram problema também.

Mas a queda do Palmeiras é uma soma complicada de fatores. Não cabe a mim julgar a competência de ninguém que está no comando – do time, do clube, da diretoria… –, mas tenho que exercer minha função nessa coluna e alertar. O Palmeiras? É a maior ciranda de maluco que o Brasil tem hoje. Pobre torcida, que a cada ano só sofre mais. Sofrer por essência, sabemos, é em outro Parque… lá da certo. Com o Verdão? Duvido muito.

Cutucadas

O Goiás jogou pela primeira vez no segundo turno. Logo contra o Flamengo. Pobre Rubro-Negro…

Será que o Internacional ainda está na disputa?

Gols mal anulados, pênaltis fora da área, impedimentos errados. A arbitragem brasileira, assim como STJD, é uma piada de mau gosto