Feeds:
Posts
Comentários

Archive for 12 de maio de 2009

sao-marcos-x-sport

Herói da noite, Marcos vibra com a classificação

A noite desta terça-feira foi para deixar qualquer palmeirense à beira de um ataque do coração. Com a vantagem do placar de 1 a 0 conseguido no Estádio Palestra Itália, o Palmeiras foi a Recife enfrentar o Sport em busca de uma vaga na próxima fase da Copa Libertadores. E os pernambucanos bem que complicaram, e muito, vencendo a partida no tempo normal. Porém, quem tem um goleiro apelidado de santo sempre está em vantagem, e São Marcos garantiu a presença do Verdão nas quartas-de-final da competição mais importante do continente.

Com uma Ilha do Retiro fervendo, Nelsinho Baptista finalmente colocou o jovem Ciro para jogar, ao lado do ex-corintiano Wilson. Já pelo outro lado, Luxemburgo optou por uma formação mais defensiva do que de costume, praticamente um 3-6-1, tendo apenas Keirrison como atacante de ofício.

Desta maneira, os primeiros 45 minutos de jogo foram de angústia para ambos os torcedores. Para os do Sport, por verem sua equipe pressionar mas parar em espetaculares defesas de Marcos, que voltou a mostrar o por que do apelido São Marcos, e para os do Palmeiras, sofrendo a cada cruzamento executado pelos donos da casa.

Depois dos gols evitados pelo goleiro alviverde, um em lance de puro reflexo e outro em uma bela saída do gol, os pernambucanos tiveram a melhor chance da etapa inicial nos pés de Paulo Baier. Os palmeirenses já se calavam, xingavam, lamentavam, mas o camisa 10 pegou mal na bola e acabou chutando para fora.

Os locais também não passaram sem levar seus sustos, primeiro em tentativa perigosa de Keirrison, depois no alívio de uma não marcação de pênalti sobre Marcão, agarrado dentro da grande área.

belluzzo-meio-torcida

Presidente Belluzzo acompanhou a partida no meio da torcida alviverde

Já na segunda etapa, o Sport não conseguia praticar a mesma pressão anterior, e Luxemburgo resolveu fazer duas alterações ao mesmo tempo, sacando os dois principais jogadores do time, Diego Souza e Keirrison para as entradas de Willians e Ortigoza. As alterações não surtiram efeito, e os anfitriões chegaram ao gol aos 36 minutos. No lance, a defesa do Palmeiras falhou, Luciano Henrique passou por três adversários e cruzou para Wilson completar.

A partir daí foi só sufoco para cima da defesa alviverde, que já não mostrava a mesma segurança de outros momentos do jogo. Com três minutos de acréscimos dados pelo árbitro Carlos Chandia, Ciro teve a chance de conseguir a classificação rubro-negra, mas Marcos e a trave evitaram. Ainda antes do apito final, Wendel deu carrinho por trás em Luciano Henrique e recebeu o cartão vermelho.

Com o apito final, a decisão foi para as cobranças de penalidades máximas, o momento que dispara o coração de todos os apaixonados por futebol. Sob fortes vaias, Mozart foi o primeiro a cobrar, bateu mal, e Magrão pegou. Porém, do outro lado tinha Marcos, e Luciano Henrique foi o primeiro a parar em suas mãos.saomarcos-x-sport

A partir daí, os jogadores do Palmeiras foram iluminados pelo seu goleiro, e Marcão, Danilo e Pablo Armero estufaram as redes. O zagueiro Igor, do Sport, também converteu. Mas seus companheiros Fumagalli e Dutra não seguiram pelo mesmo caminho, e foram punidos pelos milagres do santo da camisa 12, São Marcos.

Com a emocionante vitória por 3 a 1, nos pênaltis, o Palmeiras garantiu sua presença nas quartas-de-finais da Copa Libertadores de América, tendo pela frente o Nacional do Uruguai, equipe beneficiada pela exclusão dos times mexicanos da competição continental.

FICHA TÉCNICA

SPORT 1 X 0 PALMEIRAS (1 X 3 NOS PÊNALTIS)

Palmeiras – Marcos; Marcão, Danilo e Maurício Ramos; Wendel, Pierre, Souza (Mozart), Cleiton Xavier, Diego Souza (Willians) e Armero; Keirrison (Ortigoza). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Sport – Magrão; Igor, César e Durval; Luciano Henrique, Andrade (Moacir), Daniel Paulista (Sandro Goiano), Paulo Baier (Fumagalli) e Dutra; Ciro e Wilson. Técnico: Nelsinho Baptista.

Local: Ilha do Retiro, Recife (PE)
Trio de arbitragem: Carlos Chandía (CHI); Cristian Julio (CHI) e Osvaldo Talamilla (CHI)

Anúncios

Read Full Post »

A primeira partida das quartas de final da Copa do Brasil de 2009 começou com tudo. Nesta terça feira, a Ponte Preta recebeu o time do Coritiba em Campinas, no Moisés Lucarelli e teve muito trabalho, mesmo jogando em casa.

Jogadores do Coritiba comemoram o gol de empate

O jogo começou bom, com o time do Paraná buscando um gol que seria muito importante. Logo no início, Marcelinho Paraíba quase marcou após um cruzamento. Em seguida, a Ponte teve algumas boas oportunidades. Principalmente com o atacante Márcio Mixirica, que, em duas jogadas diferentes, driblou o goleiro Vanderlei, mas não conseguiu marcar em nenhuma das duas jogadas. Quem buscava bastante o jogo pela equipe do Coritiba era Marcelinho Paraíba que, em uma destas jogadas, deu bom passe para o ala Márcio Gabriel que bateu e contou com um desvio do zagueiro pontepretano Gum para fazer 1 a 0 para o time alviverde, aos 39 minutos da primeira etapa.

Depois do intervalo, a Ponte voltou melhor, buscando o empate e a virada. E conseguiu. Antes dos 20 minutos, a Macaca marcou dois gols. O primeiro, aos 9, em uma cobrança de falta de Willian, que ainda tocou no atacante Márcio Mixirica, para morrer no fundo do gol de Vanderlei, que falhou na jogada, apesar do desvio. Mais nove minutos se passaram e Jean, zagueiro do time campinense, subiu mais que todos em uma cobrança de escanteio e marcou: 2 a 1.

Com isso, o time de Campinas se encolheu muito e vinha se defendendo bem, sem dar muitas chances ao seu adversário. Quando tudo parecia perdido, Marcelinho Paraíba recebeu bola dentro da grande área e teve muita calma para tirar do goleiro Aranha e empatar a partida a cinco minutos do fim. Depois do gol, as equipes resolveram não se arriscar muito e ficaram apenas trocando passes até o apito final.

Com o empate por 2 a 2, a equipe paranaense agora joga por um empate de 0 a 0 ou 1 a 1 para se classificar. Já a Ponte Preta, só se classifica com um empate, se este for por 3 a 3 ou mais. O placar de 2 a 2 leva a decisão para os pênaltis e uma vitória simples por qualquer equipe decide o confronto.

Ponte Preta 2 x 2 Coritiba

Ponte Preta: Aranha; Marrom, Gum, Jean e Guilherme; Deda, Wiliam Bilú (Tinga) e André; Márcio Mixirica (Kim) e Danilo Neco (Danilo Luis). Técnico: Marco Aurélio

Coritiba:Vanderlei; Leandro Silva, Rodrigo Mancha e Felipe; Márcio Gabriel, Leandro Donizete, Carlinhos Paraíba, Marcelinho Paraíba e Vicente (Pedro Ken); Marcos Aurélio (Ramon) e Ariel (Hugo). Técnico: René Simões

Gols: Márcio Gabriel, aos 39 minutos do primeiro tempo; Willian, aos 9 minutos, Jean, aos 18 minutos, e Marcelinho Paraíba, aos 40 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Gum, André, Tinga e Guilherme (Ponte Preta); Rodrigo Mancha, Vanderlei, Vicente, Marcelinho Paraíba e Leandro (Coritiba).

Read Full Post »

Ponte Preta e Coritiba se enfrentam na noite desta terça-feira, em Campinas, pelo primeiro jogo das quartas de final da Copa do Brasil. Enquanto o Coxa viaja até o interior paulista com uma derrota – de virada, para o Palmeiras, no último sábado – em sua bagagem, a Macaca vem de vitória sobre o ABC de Natal na estreia da Copa do Brasil.

Ponte Preta x Coritiba

Local: Moisés Lucarelli, Campinas (SP)

Horário: 19h00 (Brasília)

Ponte Preta – Aranha (Gilson); Marrom, Gum, Jean e Guilherme; Deda, Wilian, Bilú e André; Danilo Neco e Márcio Mixirica. Técnico: Marco Aurélio

Coritiba – Vanderlei, Rodrigo Mancha, Pereira e Felipe; Márcio Gabriel, Pedro Ken, Leandro Donizete, Marcelinho Paraíba e Carlinhos Paraíba; Marcos Aurélio e Ariel. Técnico: René Simões.

Trio de arbitragem – Wilton Pereira Sampaio (DF); Marrubson Freitas (DF) e Fabio Araújo (DF)

Read Full Post »

Desde que o futebol é futebol, há partidas de quarta-feira e domingo, terça e sábado, quinta e domingo… Quase sempre há partidas no meio de semana e depois no fim de semana. Apesar de acontecer isto desde sempre, cada vez mais os técnicos poupam seus titulares de uma partida para estarem inteiros na outra. Quando fazem isso, os treinadores estão assinando um termo de que uma competição é mais valiosa do que a outra. Mas até quando isso é verdade e até quando isto vale a pena?

Começando por ontem, primeira rodada do Brasileirão. O Corinthians jogou em casa, no Pacaembu, contra o Internacional de Porto Alegre. Tudo para ser uma partida épica, com grandes jogadores dos dois lados, muitas chances de gols. Afinal, estamos falando de duas equipes que só haviam perdido uma partida cada na temporada e que tem dois dos melhores elencos do país. Porém, o que se viu foi o contrário. O time paulista entrou em campo com um monte de desconhecidos, os reservas. Nove dos onze em campo são considerados reservas, alguns nem no banco costumam ficar. Dos dois titulares, um só jogou pois seu reserva imediato estava gripado e o outro rescindiu o contrato. Na partida, 1 a 0 para o Inter, um golaço de Nilmar. O placar não foi dos piores, mas o Corinthians perdeu três pontos dentro de casa contra um adversário direto na briga pelo título. Claro que ainda faltam 37 rodadas, mas estes três pontos podem fazer falta no final. O motivo para poupar? Partida na quarta-feira pela Copa do Brasil, contra o Fluminense. Uma competição importantíssima, sem dúvidas. Mas quem garante a vitória corintiana? Se perder contra o Flu, terá valido a pena?

Outro cenário: Santos passa pelo Palmeiras e enfrentará o mesmo Corinthians na final do Campeonato Paulista de 2009. No meio de semana, uma partida que parece simples, contra o CSA de Alagoas, na Vila Belmiro, jogo válido pela Copa do Brasil. O Peixe só precisa de uma vitória simples para se classificar para a fase seguinte da competição. Qual a escolha de Vagner Mancini? Poupar alguns titulares contra o pequeno CSA. Resultado: Santos 0 x 1 CSA. Mas tudo bem, ainda há a possibilidade de vencer o Corinthians na mesma Vila Belmiro, no fim de semana. Chega o fatídico domingo, show de Ronaldo Fenômeno e vitória do Coringão por 3 a 1 e o alvinegro praiano praticamente dá adeus ao Paulistão.

Mais um: O São Paulo, já classificado na Copa Libertadores, terá três partidas importantes: Corinthians, Independiente Medellín e Corinthians novamente. Muricy Ramalho, após perder a primeira partida contra o Timão, decide poupar os titulares da viagem e partida contra o Independiente. Perde a partida na Colômbia e depois, de volta a São Paulo, no Morumbi, perde também para o Corinthians. Tudo bem, pois o Tricolor se classificou em primeiro do grupo de qualquer maneira e ainda pode acabar passando automaticamente pelas oitavas de final, mas por um problema político, que ainda vai dar muito o que falar. Mas, e se o Tricolor tivesse se classificado como segundo melhor primeiro colocado? Teria vantagem de decidir em casa contra quase todas as equipes, menos contra o Grêmio. O que é melhor, perder o Paulistão (como perdeu), ou decidir um possível confronto contra o Boca Juniors no Morumbi ao invés de em ‘La Bombonera’? Só veremos o resultado mais pra frente, mas esta ‘poupada’ pode custar caro ao Tricolor.

Quero deixar claro, também, que não há como saber se as equipes titulares venceriam as partidas em que foram poupados, mas não há como negar que dariam mais trabalho aos adversários. Afinal, os titulares são, teoricamente, melhores técnica, tática ou físicamente, mas, na visão dos treinadores, são melhores jogadores e fazem melhor ao time do que os reservas.

No decorrer do ano e das competições, teremos ainda mais respostas da pergunta que não quer calar: vale a pena poupar?

Read Full Post »

A terça-feira será de decisão para as torcidas do Palmeiras e do Sport. As equipes se enfrentam na Ilha do Retiro para decidir qual dos dois avançará para as quartas de final da Copa Libertadores. Rivais também na fase de grupos, os dois times se enfrentarão pela quarta vez em 2009. O Verdão leva ampla vantagem, tendo vencido dois confrontos – 2×0 em Recife na fase de grupos e 1×0 em São Paulo na primeira partida das oitavas de final – e empatado o outro – 1×1 no Palestra Itália pela fase de grupos. Para avançar os paulistas precisam empatar o duelo. Já para os pernambucanos só interessa a vitória sem tomar gols. Caso o Leão vença por 1×0 a decisão será nos pênaltis. O placar de 2×0 dá a classificação direta ao Sport. Gols do Verdão, caso aconteçam, valem mais por serem feitos fora de casa. Ambos os clubes devem ir com força máxima para o jogo.

Sport x Palmeiras

Local: Ilha do Retiro, Recife (PE)

Horário: 20h10 (Brasília)

Trio de arbitragem: Carlos Chandía (CHI); Cristian Julio (CHI) e Osvaldo Talamilla (CHI)

Palmeiras – Marcos; Marcão (Marquinhos ou Mozart), Danilo e Maurício Ramos; Wendel, Pierre, Cleiton Xavie, Diego Souza e Armero; Willians e Keirrison. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Sport – Magrão; Igor, César e Durval; Moacir, Andrade (Sandro Goiano), Daniel Paulista, Paulo Baier e Dutra; Vandinho e Wilson. Técnico: Nelsinho Baptista.

Destaques: Depois de anotar o gol da virada do Verdão na partida sobre o Coritiba no último sábado, o atacante Keirrison tirou um peso de suas costas e pode ser importantíssimo para o time paulista caso volte a mostrar o poder de decisão que o colocou nos braços da torcida alviverde no início do ano. Já o Sport deposita suas fichas na experiência do apoiador Paulo Baier e nos gols da dupla formada por Vandinho e Wilson. O Leão precisa fazer dois gols e não tomar nenhum para, pela primeira vez em sua história, chegar às quartas de final da Libertadores.

Read Full Post »