Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Luiz Gonzaga Belluzo’

Semana passada eu falei um pouco sobre o caso Henry. Hoje, vou destrinchá-lo. Estão exagerando nas reações. Faxineiros disseram ao jornal The Sun que se recusam a utilizar um aspirador com a foto do atacante francês, que inclusive leva seu nome.

Lógico que isso é apenas um símbolo do movimento moralista internacional contra o jogador do Barcelona. A realidade é que uma hipocrisia enorme envolve esse caso. Nenhum jogador não colocaria a mão naquela bola. Foi instinto, puro, inerente ao ser humano, assim como é o erro. E ninguém está discutindo que ele não errou.

Seria interessante, evidentemente, que Henry fizesse igual Robbie Fowler, ex-atacante do Liverpool, que após sofrer um pênalti inexistente, admitiu ao juiz que a falta não havia acontecido. O apitador, inclusive, não acreditou no inglês e manteve a decisão. Fowler cobrou fraco, no meio, e não fez o gol.

Isso é a exceção. Valendo uma vaga na Copa do Mundo, que seria uma decepção enorme para seu povo, não podemos cobrar que Thiery faça o mesmo. Podemos cobrar que ele se arrependa, como fez. Diferentemente de Maradona e do povo argentino, que até hoje tem orgulho da mano de diós. Lembrando que o lance na final de 1986 decidiu o título, e não apenas uma classificação.

O pior da história é a FIFA. Se o próprio protagonista da infração admitiu que uma nova partida seria o mais justo, por que não fazê-la? No futebol, as regras são distorcidas diversas vezes por motivos escusos e condenáveis. Ninguém criticaria se assim fossem por motivos nobres, como este. A entidade máxima do esporte fará reunião especial sobre o caso, e espero que deliberem a favor da anulação.

Estão pegando Henry para cristo. Como se ele fosse o responsável de todas as mazelas do futebol. Como se ele simbolizasse tudo que há de ruim. Muito pelo contrário. A qualidade técnica exuberante do atacante e sua sensibilidade em arrepender-se e admitir o erro são justamente o que fazem do esporte o que ele é. Sinceramente? Henry é o menor dos problemas.

E o monstro ataca novamente…

Luiz Gonzaga Belluzo incorporou Mr. Hide mais uma vez. Em festa da Mancha Verde, gritou, calorosamente, “Vamos matar os bambis”. Evidente que até uma criança de 5 anos percebe que ele não estava incitando os palmeirenses a exterminarem são paulinos. Mas, de certa forma, estava. E é deplorável um dirigente de um dos maiores clubes do país agir dessa forma.

Belluzo alterna momentos de brilhante e vanguardista dirigente com momentos de cartola, no mais fiel significado da palavra. Aquele amador, inconseqüente, dos primórdios do futebol profissional. Alterna momentos de Dr. Jekyll com momentos de Mr. Hide. Uma pena, realmente.

Anúncios

Read Full Post »

Todo mundo se lembra do lance na final da Copa do Mundo de 2006, no qual Zinedine Zidane, em sua partida de despedida, acertou Materazzi com uma cabeçada. A princípio, o juiz não avistou o lance, mas, em seguida, expulsou o francês, muito provavelmente avisado por alguém que assistia à partida pela televisão. Esse é o caso mais famoso, mas não é o único.

No Campeonato Carioca deste ano, o Botafogo teve um gol anulado da mesma forma. Ontem, embora não confirmado, tenho um forte pressentimento que Obina e Maurício, ambos do Palmeiras, foram expulsos da mesma forma.

A questão não é acertar ou errar a decisão sobre o lance. Na realidade, o que importa é o descumprimento da regra em benefício de alguns clubes, e em prejuízo de outros, sem critério algum. Quando alguém vê um lance duvidoso pelo monitor e avisa o árbitro, ele é corrigido. Quando não, segue o jogo. Não há regularização.

Zidane deveria ter sido expulso. O gol do Botafogo, anulado. Mauricio e Obina não poderiam continuar em campo. Mas enquanto os velhinhos da FIFA não decidirem aprovar o apito eletrônico, essas infrações da regra não podem ser corrigidas com outras infrações. Sou jornalista e não matemático, mas sei que dois erros não fazem um acerto.

As razões para a televisão não servir de auxílio ao árbitro são desconhecidas. Balelas como “a discussão faz parte do futebol”, ou o “tradicionalismo”, não colam. No tênis essa medida já é utilizada há algum tempo, e quer esporte mais tradicional que o bom e velho troca-bolinha?

Evidente que o jogo ficaria mais travado, pois, de vez em quando, a partida teria que ser interrompida para a avaliação do árbitro. Mas isso é questão de hábito. O custo-benefício compensa, já que injustiças seriam desfeitas, sem a necessidade de quebrar regra alguma.

Lances como o toque de mão de Thiery Henry na repescagem da Copa do Mundo, ontem, contra a Irlanda, ou o gol mal anulado de Obina de cabeça, além de inúmeros impedimentos, bolas que entram duvidosamente, e impedimentos absurdos, poderiam mudar a história de campeonatos. A main de dieu do atacante francês mudou a história de um país.

Sem dúvidas que a tecnologia assistindo o futebol seria benéfico. A discussão, evidentemente, é valida, mas os argumentos contra são fracos. Logo logo a International Board vai ceder, e permitir a arbitragem eletrônica. Até lá, porém, não podemos utilizar do jeitinho brasileiro para burlar a regra. Por mais absurda que ela seja.

Que pena!

Luiz Gonzaga Belluzo, presidente do Palmeiras, pegou nove meses de suspensão. Vai recorrer, em fevereiro apenas. Por enquanto, Salvador Hugo Palaia, o homem da auto-entrevista, assume o Palestra Itália, pelo menos até o fim do ano, quando já será permitido um efeito suspensivo da pena do economista.

O ruim é ver uma figura como Belluzo, de mais acertos do que erros, afastada do futebol. Pior é ver uma figura como Carlos Eugênio Simon, de muitos mais erros do que acertos, prestigiado e apitando Mundial e Copa do Mundo.

Quando Belluzo retornar à cadeira presidencial alviverde, lá para agosto do ano que vem, tudo já terá sido esquecido e, provavelmente, Simon estará apitando o principal jogo da rodada. Esse é o Brasil-sil-sil.

Falando em penas…

O Campeonato estava tranqüilo. Paulo Schmidt, o arroz de festa do futebol brasileiro, estava quieto. Não aparecia. Era a calmaria antes da tempestade. Morumbi fora da partida final, Jean, Dagoberto e Borges suspensos até o fim do torneio, André Dias e Hugo em pauta no tribunal.

Borges mereceu sua punição, inclusive, até se fosse maior não seria errado. Dagoberto pegou três partidas por lance parecido ao de Vagner Love, que pegou apenas dois. Jean, em um lance de jogo, diferente dos outros, já havia sido devidamente punido. O Atlético-MG teve caso parecido ao do Morumbi, e não foi punido. As carícias violentas de André Dias e Hugo foram vistas pelo árbitro e punidas da forma que ele achou melhor. Mudar a decisão de campo pode ser perigoso.

O Campeonato estava tranqüilo. Muito bom até. Tão bom que o tribunal não conseguiu ficar de fora. Tinha que aparecer e, possivelmente, estragá-lo. A incoerência parece não ter limites. Um tribunal de penas resolveria isso.

Read Full Post »